O Velho Chico e sua agonia

Recursos federais para revitalização do Rio São Francisco caem 70%. Em uma série especial, o jornal Estado de Minas, mostra que investimento em preservação encolheu, enquanto verba para retirar recursos hídricos da bacia cresceu 47%.

Reprodução jornal Estado de Minas

 As erosões que por anos escavaram pastagens nas barrancas do Rio São Francisco, despejando terra, raízes, galhos e árvores inteiras no leito, formaram um dique nos pilares da ponte que corta Iguatama, a primeira cidade por onde passa o curso d’água, no Centro-Oeste de Minas. Por causa da seca, pescadores viram quando essa represa se formou sobre os bancos de areia e reduziu o Velho Chico, de uma c alha de 40 metros de largura e quatro metros de profundidade, a um estreito corredor de 17 metros, tão raso que mal chega a 40 centímetros nas canelas de quem passa por ele. Mas a estiagem não é a única vilã desta que é considerada a pior situação do manancial em todos os tempos. Desde 2011, a região deixou de receber investimentos para ações de preservação, como a conservação de margens, cercamento de nascentes e recomposição de matas ciliares. Está longe de ser uma situação isolada: ela se repete ao longo dos 2.700 quilômetros do curso por cinco estados, já que a União fechou a torneira para a preservação do rio, ao mesmo tempo em que aumentou os investimentos para retirar água da bacia, com as obras de transposição.


 
Usando a metodologia dos auditores do Tribunal de Contas da União, que avaliaram as 41 ações do Programa de Revitalização do Rio São Francisco entre 2004 e 2011, a reportagem do Estado de Minas constatou que os investimentos da União em revitalização encolheram 68,4% nos últimos três anos – de R$ 363 milhões, em 2012, para R$ 115 milhões neste ano, segundo dados da Controladoria-Geral da União. Do total de ações que compõem o programa, 25 simplesmente deixaram de ser aplicadas. Enquanto isso, os investimentos para a transposição das águas do Velho Chico para canais no semiárido nordestino aumentaram 47% desde 2012, saltando de R$ 703 milhões para R$ 1,035 bilhão no mesmo período.

“Em 2006, o presidente Lula garantiu que, para cada real gasto na transposição do Rio São Francisco, um real seria investido em revitalização. Só que esse nível de investimentos nunca ocorreu. A situação do rio só piorou”, considera o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, Anivaldo Miranda. Hoje, a entidade destaca que o curso d’água principal e seus afluentes enfrentam a “mais grave crise de todos os tempos”.

Coordenador do Programa de Revitalização, o Ministério do Meio Ambiente admite a seca em várias ações de conservação e melhoria da qualidade das águas do Velho Chico, que agora passam por reavaliação técnica. Contudo, enquanto os recursos para aumentar a quantidade e a qualidade de água da bacia hidrográfica somaram R$ 760 milhões desde 2012 e agora estão paralisados, o aporte para as obras de transposição alcançou R$ 2,7 bilhões no triênio, e chegará a R$ 8,2 bilhões em dezembro de 2015, quando a obra deve iniciar a operação de bombeamento de água.

Matéria publicada pelo Jornal Estado de Minas –  Repórter: Mateus Parreiras
Publicação: 12/10/2014 06:00 Atualização: 12/10/2014 10:31

A matéria pode ser acessada no site: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2014/10/12/interna_gerais,578838/recursos-federais-para-revitalizacao-do-rio-sao-francisco-caem-70.shtml

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s